Quais os documentos necessários para iniciar o financiamento do MCMV?

Quais os documentos necessários para iniciar o financiamento do MCMV?

O Minha Casa, Minha Vida tem ajudado milhões de famílias brasileiras a realizar o sonho da casa própria. Você sabia que o programa foi criado pelo governo federal justamente para facilitar o acesso da população ao crédito imobiliário?

Para ter acesso ao programa é preciso preencher certos requisitos, e o primeiro passo é reunir a documentação necessária. Por isso, apresentaremos neste artigo a relação dos documentos para o financiamento do MCMV, além de outras informações relevantes. Confira!

Vantagens do MCMV

Para quem está se organizando para financiar um imóvel, o MCMV pode ser uma ótima opção, desde que sejam atendidos os critérios exigidos, como veremos mais à frente. Com o incentivo do governo federal, o programa oferece uma série de vantagens, a fim de fomentar o mercado imobiliário.

O prazo para pagar o financiamento é um dos destaques do MCMV. O imóvel pode ser financiado em até 360 vezes, viabilizando prestações mais baratas e democratizando o acesso à casa própria. A utilização dos recursos do FGTS é outro grande atrativo. A maior vantagem, contudo, está nas taxas de juros, bem abaixo dos valores praticados pelo mercado.

Documentos para o financiamento do MCMV

Se você está interessado em iniciar o financiamento do MCMV, é preciso ficar atento à documentação necessária. Vale destacar que, caso haja composição de renda, devem ser apresentados os documentos de todos os proponentes. Confira a relação:

Proponentes:

  • documento de identificação com foto (carteira de identidade, CNH ou carteira de identidade profissional);
  • Cadastro de Pessoa Física (CPF);
  • Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS);
  • comprovantes de residência e renda;
  • declaração de imposto de renda;
  • comprovação de estado civil (certidão de nascimento para solteiros, certidão de casamento para casados ou certidão de nascimento averbada para divorciados ou separados).

Imóvel

  • contrato de opção de compra e venda;
  • matrícula do imóvel atualizada;
  • certidão de logradouro obtida junto à prefeitura.

Obra

  • projeto aprovado;
  • alvará da construção;
  • matrícula do INSS;
  • projeto ART (arquitetônico, execução e complementares);
  • memorial descritivo do projeto com especificações técnicas;
  • orçamento e cronograma da obra;
  • declaração elétrica e de esgoto;
  • documentos de identificação do construtor ou responsável técnico (RG, CPF e CREA).

Critérios para o financiamento do MCMV

Como já adiantamos, o proponente deve preencher certos requisitos para participar do programa Minha Casa, Minha Vida. O governo estabeleceu alguns critérios para o acesso ao programa, além de uma série de fatores restritivos.

Limite de renda

O limite de renda para o ingresso no MCMV foi ampliado no começo do ano. Podem aderir ao programa famílias com renda de até R$ 9 mil. Os juros cobrados variam conforme a faixa de renda dos proponentes, assim como o valor do subsídio dado pelo governo federal.

  • Faixa 1: renda de até R$ 1,8 mil.
  • Faixa 1,5: renda de até R$ 2,6 mil.
  • Faixa 2: renda de até R$ 4 mil.
  • Faixa 3: renda de até R$ 9 mil.

Valor do imóvel

O teto do valor dos imóveis também foi alterado pelo governo federal. No Distrito Federal, em São Paulo e no Rio de Janeiro, o valor pode chegar a R$ 240 mil, variando nos demais municípios de acordo com a região.

Fatores restritivos

Pode ser desclassificado do MCMV o proponente que já recebeu benefício de moradia do governo ou já possui imóvel. Pessoas cadastradas no Cadastro Nacional de Mutuários ou no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal também podem enfrentar problemas.

Ser funcionário da Caixa Econômica Federal é outro fator impeditivo. Possuir dívidas, independentemente do tipo ou do valor, também pode impedir uma pessoa de participar do MCMV.

Lembre-se que o primeiro passo para realizar o sonho da casa própria é reunir e apresentar os documentos para o financiamento do MCMV. Fique atento aos critérios estabelecidos pelo governo e veja se você pode ser beneficiado pelo programa.

E então, gostou do artigo? Conseguimos ajudá-lo? Aproveite e assine nossa newsletter! Assim você fica por dentro de nossas novidades e confere em primeira mão conteúdos como este!

Gostou do texto? Não gostou? Comente abaixo!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ligamos para você